O que é o abuso obstétrico? 

 

O abuso obstétrico consiste na intervenção clínica sobre a grávida/parturiente/puérpera, ou sobre o seu bebé, sem informação prestada à mulher alvo de intervenção e/ou sem o seu consentimento prévio, ou com consentimento prestado sob qualquer forma de pressão ou contra-informação, o que constitui, por si só, uma forma de abuso.

 

Evite o abuso obstétrico.

É possível prevenir o abuso obstétrico. A chave é a informação.

 

Reconheça e enfrente o abuso obstétrico.

É possível ultrapassar uma situação de abuso obstétrico. A chave é a partilha.

 

BEM-VINDO!

 

Fórum Mal Me Quer

Data 24-03-2017

De Rute

Assunto Re:A minha experiência

Responder

Fiquei com as lágrimas nos olhos ao ver o seu relato! Uma menina de 22 anos e estes profissionais de saúde a terem estas atitudes! Infelizmente já li muitos relatos destes.. eu tive por opção a minha filha num hospital privado e tenho uma memória fantástica de tudo o que me aconteceu naqueles 3 dias, fui tratada com amor e carinho e sempre disponíveis para mim (uma mulher de 33 anos)... desejo lhe tudo de bom

Data 14-04-2016

De Janine Martins

Assunto abuso obstétrico

Responder

olá chamo me Janine tenho 29 anos e estou a espera do terceiro filho neste momento com 28 semanas não consigo esquecer o horror que passei no meu segundo parto dito normal visto que o primeiro foi uma cesariana! Tive a minha segunda filha com 25 anos e até hoje não esqueço as vezes que fui tocada por uma equipa de estagiárias a aprenderem a fazer o toque a uma grávida em trabalho de parto! Foi doloroso estArem constantemente a por me a mão lá dentro inclusive lembro me de sentir a minha filha a ser empurrada num desses "toques". Entrei com 1 dedo de dilatação disseram me que só davam epidural até aos 4 dedos de dilatação e que não me podia levantar da cama quando já estava cansada e com dores de estar tanto tempo de costas! Meu trabalho de parto durou 14 horas. 14 horas de desespero pois nem água me deixaram beber! Pedi a epidural então aos 4 dedos depois de estar em
Constante sofrimento com contrações! A partir daí foi tudo muito rápido um médico espanhol que nem portugês falava estava a observar me e disse que ainda demorava! Passados 10 minutos só tive vontDe de fazer força ora pra espanto da enfermeira eu já tinha os 10 dedos feitos e a cabeça da menina estava a formar um pepino já estava em
Sofrimento. Resultado cortaram me sem minha autorização e com os excessos toques minha filha rasgou-me toda por dentro levei 12 pontos dentro de mim mais 6 de fora! Não me pediram autorização pra me cortarem disseram vamos aqui fazer um
Corte! Já pra nao falar que senti o meu parto todo a epidural não teve tempo de fazer efeito so não sentia a minha perna direita! Fui cozida e senti cada ponto! Depois disso lembro me de a enfermeira dizer pro meu marido você pode se ir embora que não está aqui a fazer nada! Apaguei com as
Dores acordo no quarto com uma unidade de sangue a ser transferida pra mim! Perguntei porque estava a levar sangue e a resposta foi achamos que é melhor assim perdeu um pouco de sangue mas nada em exagerado! Levei duas unidades de sangue desnecessárias a meu ver! Depois disso no quarto exigiram que usa-se camisas e eu recusei porque não me sentia confortável com tal roupa e responderam me! Tem de usar isso! Não usei pedi pra me porem do lado da janela porque tenho preconceitos com a minha privacidade não consigo fazer nada há frente de estranhos e responderam me que no bloco não tive vergonha... Senti me humilhada plos supostos profissionais de saúde! A minha pergunta é será que posso dizer não ao corte perenial!? ObriGdo

ADVERTÊNCIA IMPORTANTE:

As mentoras do "projecto mal me quer" não são profissionais de saúde. Todo o conteúdo deste site tem carácter meramente informativo e não substitui o acompanhamento técnico e profissional especializado.

EDITORIAL

Parto Domiciliar - Quando a fuga em frente nos deixa em casa

10-10-2011 11:29
O ARTIGO começa em tom ligeiro, tão ligeiro que, de início, ninguém adivinha o rumo que o desabafo vai tomar. Começa com um sorriso suspirado, para acabar numa estrondosa bofetada. São as palavras e a frontalidade de uma mãe que assim desmonta a hipocrisia e o cinismo da assistência ao parto em...

Livro de Reclamações – uso se o caso é de abuso

20-04-2011 01:04
Ao longo de quase um ano de actividade, o Projecto Mal Me Quer tem procurado deixar claro que o abuso obstétrico, tanto quanto possível, deve ser evitado, quer por via da busca de informação que torna a mulher mais consciente dos seus interesses e Direitos, quer por via de uma conveniente...
Todos os artigos

DIZ QUEM SABE...

Para aqui virão os testemunhos/vozes de apoio, de carisma e competência reconhecidos. E são já muitos os que querem bem ao "mal me quer". Novidades em breve.

 

free counters